As minhas viagens de metro #11

By Andreia Morais - abril 29, 2014


«Todas as decepções são secundárias. O único mal irreparável é o desaparecimento físico de alguém a quem amamos», Romain Rolland



Congela-me o sangue.
Nesta tempestade de sentimentos
Neste raio de incertezas
Que me percorrem o corpo
E paro.
Há uma força que me atira
Que me faz permanecer imóvel
No chão.
E nos mil pedaços 
Que a minha alma desfragmenta 
Tu pisas as memórias
Do que me resta.
E eu fico presa
Insegura 
Inquieta
E sinto-me a perder o pulso
O coração a bater cada vez mais fraco
E fecho os olhos
Para sempre.


M, 04.11.2013

  • Share:

You Might Also Like

25 comentários

  1. R: Não precisas agradecer é mesmo verdade! Tens imenso jeito. Devias escrever um livro ou qualquer coisa do género :)

    ResponderEliminar
  2. Foste tu que escreveste querida?
    R: Eu estou melhor, confesso que foi numa festa e já tinha bebido um bocadinho, na altura não me doeu muito mas depois...

    ResponderEliminar
  3. Uau está mesmo bonito.
    Acho que se tivesses aulas de literatura portuguesa comigo, o meu professor iria ficar muito contente com os teus poemas :D

    ResponderEliminar
  4. Adorei, é mesmo lindo! Se foste tu quem escreveu deixa-me dar-te os parabéns pois está muito bom, se não escreveste então tenho de dar-te os parabéns pelo teu bom gosto :)

    http://morningdreamsfree.blogspot.pt/

    Sofia Silva

    Beijos*

    ResponderEliminar
  5. Sim. Ele ia dizer finalmente alguém que tem uma veia artistica veio a esta aula e não adormeceu! xD

    ResponderEliminar
  6. Eu até gosto agora estámos a dar Camões, Petrarca, Sonetos, Vilancetes...

    ResponderEliminar
  7. Está maravilho. Foste tu que escreveste?

    ResponderEliminar
  8. Adoro ler os teus textos, fantástico mais uma vez!!

    Santi

    ResponderEliminar
  9. Concordo totalmente com o que disseste. Tens toda a razão, também eu acredito que escrever vai ser sempre algo muito importante para mim.
    E, a certo ponto, apercebi-me que partilhamos muitas ideias :)

    ResponderEliminar
  10. Um pouco triste,porém belo e duma sensibilidade inigualável.

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Adoro o verso *.* Tão sentido
    Desculpa a pergunta foste tu que escreves te?
    Beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Forte isso. Mas é verdade se formos pensar bem...

    Bjos

    chuvadecamelias.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  13. Amiga você arrasa nas tuas poesia amei sucesso.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  14. Nem sei que te diga :$ És maravilhosa, tenho dito! :) ♥

    ResponderEliminar
  15. sim, estou com esperanças de que corra tudo bem embora o medo teime em apoderar-se de mim, eu sou mais teimosa $:

    sim, tens razão... aliás tu tens sempre razão!

    sim, quero mudar! :)
    comecei pelo nome, e irei prolongar a muitas outras coisas, inclusive na minha vida, chega de ser cobarde está na hora de uma mudança.

    ResponderEliminar
  16. Lindo, lindo!!!
    Está lindo mesmo. Triste, claro...e ao ler, quase que sinto essa dor..Mas está lindissimo Andreia :D Parabéns
    beijinho grande ♥

    http://naervilhadapolly.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  17. Ai que texto Andreia, ADORO :) e que BEM escrito! embora profundo..

    também prefiro salto de plataforma :p mas é a tal coisa, sapatilhas 4 ever! ahah

    Epáá, madrugas-te no feriado, foi o que foi :p ahah mas isso até é bom :p

    beijinhoo fofinhaa ❤❤

    ResponderEliminar
  18. r: vais ver que as tens todas escritas pro ano ahah :p é uma sensação ÓTIMA!
    beijinho querida ❤❤

    ResponderEliminar
  19. Desculpa ter pergunta ;D mas está mesmo bom. Não sei se estás na área de escrita ou algo assim parecido mas tens imenso jeito com a escrita, dás uma óptima escritora.
    Beijinhos grandes ;)

    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar