Chove em mim


«Olha, entre um pingo e outro a chuva não molha», Millôr Fernandes


Sentei-me no parapeito e fiquei a ver a chuva cair. Mantive-me nesta inércia por tanto tempo que perdi a conta às vezes que os ponteiros rodaram no meu relógio. Gosto do som que ecoa quando as gotas tocam nos paralelos irregulares e do cheiro à terra molhada. Aprecio a calma que me invade e as memórias que me traz. Sou tão tudo e tão nada naqueles instantes que me fragmento em mil bolhas de água, como se também eu estivesse prestes a cair naquela superfície cinzenta e a desfazer-me para sempre. Permiti-me abrir a janela, sentir os chuviscos na minha cara, nas minhas mãos e na pequena parte de braço descoberta pelas mangas à 3/4. A sensação de frescura, de leveza e de liberdade é perfeita em mim. Espero tantas vezes por esta permissão de não ser eu dentro do meu próprio corpo que me esqueço que o posso fazer nos pormenores mais simples. Perco-me de mim sem precisar de estalar os dedos e se o mundo terminasse aqui seria a mesma sem o ser, com a minha alma a vaguear fora do corpo, mantendo-se a uma distância considerável e que me possibilita alcançá-la quando quiser regressar à realidade. Apetece-me dançar à chuva. Talvez dias assim sejam para ser passados no sofá, enrolados numa manta, de cabeça pousada no peito de alguém - aquele alguém - e uma chávena de chá a fumegar, ao mesmo tempo que os olhos travam uma luta para se manterem abertos enquanto o filme, ou a série, continua a avançar. Sou naturalmente do contra. Permiti-me viver. Ignorar as lembranças que me obrigam a parar. E saltei da janela, deixando o corpo movimentar-se ao som de uma qualquer música imaginária. E por ali fiquei até ser noite. Até parar de chover. Cá fora. E em mim. Senti o aroma do chocolate quente a invadir a sala e abri os olhos. Olhei-te. Tinhas a tua mão sobre o meu ombro. Por onde andaste tu? Procurei-te durante toda a minha vida. E num abraço profundo, encostei a minha cabeça ao teu peito, dançando a melodia que estes dois corações criam a um só tempo. Não te percas. Não te percas de mim. Acompanha-me. Um dois três, um dois três...   

You Might Also Like

19 comentários

  1. Oh, gostei tanto :') eu também gosto da chuva, do cheiro a terra molhada :) só me chateia ter de andar de chapéu eheh fora isso gosto muito :D

    r: obrigada minha querida, espero conseguir :D boa semana ***

    ResponderEliminar
  2. Sim, afinal, é para isso que servem as listas.
    Este texto está fantástico.

    ResponderEliminar
  3. Adorei! Aliás, como sempre adoro o que escreves...
    Beijinhos,
    theinsideofvogue.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Texto maravilhoso amei tenha uma semana abençoada com muito sucesso.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderEliminar
  5. Digo o mesmo, quero ler tantos que vou acabar por me perder. (:

    ResponderEliminar
  6. Gostei imenso do texto , como sempre. Já dancei à chuva, dá-nos liberdade, parece que não existe mais nada naquele momento!

    ResponderEliminar
  7. ;D

    Gostei do texto.

    Ótima segunda, Andreia!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  8. r: às vezes tem mesmo de ser, tem de se abanar as pessoas, principalmente aquelas de quem gostamos mais pois há momentos em que elas dependem de nós, não se vêem a elas com olhos de ver e ou as abanamos e salvamos ou não abanamos e elas perdem-se para sempre delas mesmas.

    r2: eu não gosto da chuva por causa de ter de andar com chapéu atrás mas, acima de tudo, não gosto da chuva porque uso óculos e como deves calcular é hiper irritante ao fim de 1min à chuva já não conseguir ver nada à frente!

    ResponderEliminar
  9. A simplicidade das tuas palavras só torna os textos mais lindos!
    Também adoro chuva, como se já não fosse óbvio...

    ResponderEliminar
  10. Adorei o e texto :) Revejo - me imenso na primeira frase como descreves, passo horas há janela a ver chover.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. A chuva consegue ser tão inspiradora! Que texto lindo.

    ResponderEliminar
  12. Dos melhores textos que escreveste. Amei!

    ResponderEliminar
  13. Adorei o espaço, adorei as palavras, adorei o blog!

    Sincero, único e inspirador! Parabens!

    The C. StyleA

    ResponderEliminar
  14. Adoro, adoro este texto, já o tinha lido nas férias, mas só agora consegui comentar, tão lindo minha querida, tão lindo :)

    ResponderEliminar