Embaraço


«- Tá bagunçado.
- Seu quarto?
- Não. O coração»


Onde estou? De onde vim? O que faço aqui neste lugar? Para onde vou? Quem sou? Acho que a meio da viagem me perdi da minha rota. Por qualquer ataque de amnésia que não me recordo, tudo ficou uma confusão baralhada e de difícil desembaraço. Olho ao meu redor e sinto o coração apertado, acho mesmo que estou perdida, iludida, sem amparo.

Dou passos em frente, como se caminhasse numa marcha lenta e de um grau de obrigatoriedade que não sei explicar. Mas o pior de tudo é sentir que, por mais que tente, nenhuma das caras que me acompanham me são familiares. Não as reconheço, elas não me reconhecem. E eu começo a pensar que, no final de contas, não me reconheço a mim. Não sei de mim, não sei o que espero de mim mesma, não sei o que é sentir saudades. Ou melhor, sei senti-las, mas não da forma certa, do que deveria sentir, de quem deveria sentir. Só sinto a tua falta e isso parece-me demasiado errado, demasiado comprometedor, demasiado egoísta, triste, lamentável... Ah! Que turbilhão, que desordem, que bagunça que se instalou dentro de mim.

Sinto o coração num batimento acelerado, numa roda viva de sensações e emoções. Sinto-me perdida, sem norte, desorientada. E não sei sair deste embaraço, deste nó sem laço, deste caminho inconstante e quebradiço como as promessas que um dia te ouvir dizer ao ouvido, olhos nos olhos, mãos nas mãos e em abraços. Nunca esperei perder-te assim, de rompante, sem retorno. Aliás, nunca esperei perder-te e acho que foi nesse tempo todo que acabei por perder-me de mim, para ti, agora sem ti e sem nada que se assemelhe ao que fomos.

Parte do que sou. Julho, 2013

Comentários

  1. Palavras bonitas mas tristes. Acho que todos nós passamos por fases na vida em que temos de lidar com perdas e onde essas perdas parecem levar com elas um pedaço grande de nós. Às vezes é preciso parar e aceitar essa dor, dar-nos autorização de a sentir sem nos sentirmos mal em o fazer. Fazer o luto do que de nós se perdeu e mais tarde recompor-nos :)

    R: eu acho que deves mesmo lê-lo, mas eu sou suspeita pois aquele livro diz-me muito. Lembro-me que quando o Li só pensei "alguém escreveu a história da minha vida" e no final tive de enviar um mail à autora a agradecer aquelas palavras que além dela eram também minhas :)

    ResponderEliminar
  2. Que texto lindo e muito bem escrito querida! Devias um dia imprimir tudo o que escreves, porque fazes tão bem e de uma maneira tão simples e linda!

    ResponderEliminar
  3. r: sim, consegui obter resposta dela :) ainda falei um pouco com ela, partilhei as minhas experiências e expliquei-lhe o quanto o livro em causa me tinha ajudado a sentir compreendida :) eu ainda não partilhei aqui as frases que mais me marcaram do livro porque é tão pessoal para mim que ainda não consegui, mas em breve pode ser que consiga e aí percebas que realmente o livro tem muito de mim :) pois é, o meu irmão está no mau caminho. É triste e tenho muito medo do adulto em que ele se pode vir a tornar pois acho que vai ser um adulto fraco, muito fraco sabes? Quanto aos pais, não há muito a dizer, eu tento incutir maneiras no meu irmão mas por trás vêm os pais dizer-lhe que não faz mal as coisas que ele faz ou deixa de fazer... É uma carga de nervos que eu apanho sabes? São situações que realmente me frustram e me irritam, de tal maneira que às vezes só choro pois são os nervos a falar mais alto! O que mais me custa é ver o quão diferente foi a educação que eu recebi... Ele tem benefícios que eu nunca tive. Ele quando pede um brinquedo (e pede sempre, super caros) no próprio dia os pais são capazes de lho comprar, eu nem tinha coragem de dizer quero, limitava-me a dizer que gostava muito de X brinquedo. Se tivesse sorte nos anos ou no Natal recebia-o e olha, até hoje há brinquedos que eu queria mesmo muito na altura e nunca os recebi. (às vezes acho que te devia de responder para o e-mail porque os meus comentários ficam muito extensos xD desculpa)

    ResponderEliminar
  4. É normal perdemos a rota de vez em quando, isso não quer dizer que erramos, mas sim que estamos a ser postos à prova de novo!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  5. r: é uma coisa que faz parte de mim *.*
    bom domingo :)

    ResponderEliminar
  6. Serão bagunças especiais.
    escritas em versos na poesia
    imaginação de Andreia Morais
    que o sejam de muita alegria.

    Bagunçado - seu quarto?
    que o seja de maneira divertida
    calça no pezinho o sapato
    para nele não fazer ferida.

    Gostei dessa bagunçada,
    de certo modo sem confusão
    não deixa mulher apaixonada
    mais sofrer o teu coração.

    Porque você surpreende,
    as coisas mais belas da vida
    com palavras bonitas escreve
    continua se é que acredita!

    Bom domingo, para você, Andreia Morais, um beijo.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  7. R.: Os livros servem como um refúgio de apreensão de conhecimentos.
    O filme em si é bom pela sensibilidade que provoca.

    -----

    Infelizmente há momentos assim, vivemos de memórias que só existem no passado e não estão presentes no presente. É uma realidade abstrata em vez de ser uma realidade concreta. Há quem diga que é necessário conformar com a situação, outros dizem só nós próprios é que sabemos o que se deve fazer mesmo que seja errado.

    Sou da opinião se continua na nossa mente tão vivo esse apego, é porque existem razões para isso. No entanto, irá sempre parecer uma loucura como não existe no presente.

    ResponderEliminar
  8. Pela minha experiência de vida aprendi que existe um tempo para tudo. Essas memórias só perdem importância quando sentimos na realidade que já não existe a sua importância. Ser genuimanete incondicional, sem segundas intenções, só acontecerá quando consegues confiar nas pessoas sem existir nenhuma mágoa.

    Concordo, faz sempre falta uma "bengala" (um apoio para nos completar) mas quando não existe, é necessário disciplinar o controlo emocional para arranjar forças para concretizar objetivos.

    Os livros podemos interpretar as coisas como a nossa imagina enquanto nos filmes estamos limitados ao que o realizador se baseia.

    ResponderEliminar
  9. *Os livros podemos interpretar as coisas com a nossa imaginação enquanto nos filmes estamos limitados ao que o realizador se baseia e mostra.

    ResponderEliminar
  10. oh tão lindo o que escreves te. Gostei mesmo.Há dias assim, em que o coração não sabe o que sente, é um misto de sentimentos e emoções num só corpo, numa só pessoa. O ser humano tem destas coisas, é um ser nato de desequilíbrios emocionais, Beijinhos e obrigada pela tua assiduidade ao meu blog.

    ResponderEliminar
  11. Adorei o texto, ando um pouco como descreveste no texto por vezes o nosso coração e mente levam nos a pensar num monte de sentimentos mas enfim há dias assim.
    bjs
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. O importante é conseguir construir o nosso caminho de novo!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  13. r: sim :) eu não tenho pressa, claro :) mas já me vou sentindo mais preparada pois já expus coisas más de mim aqui por este mundo e isso fez-me sentir que começo a conseguir falar das coisas sem medo de represálias :) eheh não confundiste não, ele é muito inseguro mesmo :D se é alto não sei, tem 1,75m mas como eu só tenho 1,55m qualquer pessoa acima do 1,60m para mim já é gigante xD é magro mas encorpado porque faz exercício com muita frequência por isso é meio musculado (mas nada exagerado que em exagero eu também não gosto!!) o cabelo é rapado, pente 2/3 (à máquina) adorei a parte do «bom cozinheiro» porque realmente o é xD

    ResponderEliminar
  14. Um dia esse nó irá soltar-se e tudo ganhará uma nova cor; Tudo terá sentido!

    ResponderEliminar
  15. Oi Andreia!
    Me perco e me acho em seus escritos. Lembrei de um que escrevi "Não sei", que fala justamente do não saber, das incertezas, do vazio. Depois eu posto no blog e vc vai ver!
    Este está lindo. Passa toda a sua emoção e dá pra sentir o vazio e a bagunça daqui.
    Você é brilhante, escreva sempre!
    Beijo e obrigada pela presença! Ótima semana, querida!

    ResponderEliminar
  16. Isto também é uma espécie de recordar é viver!
    Espero que tudo isto se torne menos "pesado", que esteja tudo bem agora!

    ResponderEliminar
  17. Que lindo Andreia, mas triste, espero que neste momento esse sentimento, essa recordação já não te faça sofrer e que já não te sintas assim confusa e perdida... pelo que tens vindo a partilhar, parece-me que esse coraçãozinho já está mais sereno será ? ( apesar de nunca esquecermos não é... )

    Um beijinho grande querida*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário