Canela & Pimenta

By Andreia Morais - abril 25, 2015


«Ouve, quero romper as cordas. Esquecer as horas mortas que me pintaram de cinzento»


Alvoroço. É o que o meu corpo precisa. A minha mente. O meu coração. Amor.

Um, dois, três. Três passos de dança rodopiada, que me eriçam a pele, que me agitam os nervos e me fazem explodir num grito de amor, entrega, presença, como se o mundo acabasse amanhã. Mas sempre ouvi dizer que “para dançar o tango são precisos dois”. Afinal é isso que eu preciso: um par, um amor. Romance.

Haverá alvoroço interior maior do que um romance que te prende a cada instante? Haverá dança mais emocionante do que um amor que faz mover cada milímetro do teu corpo? Começo a achar que a resposta é tão óbvia e que, por isso mesmo, temos tanto medo de amar. No fim de contas, todos queremos um amor como os que vemos no cinema, o problema é que não sabemos se estamos à altura do desafio. Não que não nos achemos capazes de tal, mas porque temos medo de não conseguir separar a expectativa da realidade. Contudo, chama-se ficção por algum motivo. O que não é suficiente para nos demover.

Chega a uma altura da tua vida em que te deparas com um vazio pequeno/médio/grande, que te consome em silêncio, dependendo sempre do tamanho com que o sentes. Então partes em busca de uma resposta que esperas encontrar em ti mesmo, como se estivesse escondida numa caixinha camuflada, para que a demores a encontrar. E, como não a encontras, sentes que te falta algo, que estás incompleto, como se fosses um puzzle e tivesses perdido uma peça. A tua grande sorte é teres um sorriso sempre disponível, que esconde toda essa agitação a percorrer o teu corpo de uma ponta à outra. E, verdade seja dita, quase todos nós acreditamos na mentira que um sorriso largo nos pode contar. É persuasivo. Ou nós é que somos pouco atentos.

Pouco sal. Muito açucar para adoçar o coração. Pimenta. Bastante. E um travo a canela, para aromatizar e intensificar essa vontade de arriscar, cometer loucuras, saciar esse desejo e preencher o vazio. Viver.

Um romance é isso mesmo. É isto mesmo. E eu estou a precisar de um, com toda a sinceridade. Estou a precisar de ocupar a cabeça e o coração, passar por todas aquelas fases piegas e por todas aquelas em que não nos podemos ver à frente. Tudo isso faz parte, mas tudo isso acaba por passar, até porque amar é isso mesmo: é superar e crescer a dois. No amor, 1+1= 3. Eu, tu, nós. E se há uns tempos atrás não pensava dessa maneira, agora começo a perceber que é a perspetiva mais correta e funcional. Ora, nesta história já existe um “eu”, só me faltas “tu” para sermos “nós”.

Vou precisar de um mapa e indicações. Seja ou não para as seguir. Seja ou não para o rasgar a seguir. Uma coisa sei que vou precisar de certeza: instinto. Apurado. Bastante apurado. Para reconhecer o travo a canela e apimentar a viagem. Para assim te descobrir, algures por aí, quem sabe de mapa na mão à minha procura, e vir a perceber que tu és as natas do meu café, a sobremesa no final da refeição, o dia depois da noite, o arco-íris depois da chuva... O meu complemento. Sim, vamos começar pela parte piegas e ridícula da questão, temos tempo para o que vier depois. Só preciso que venhas, que não desistas de me procurar. Eu prometo encontrar-me contigo a meio do percurso.

Já vou a caminho, de mapa na mão, coração remodelado e alma nova, para te abraçar por inteiro. Nesta transição de movimentos subtis, com que o vento me rodopia, em direção a um lugar que eu não conheço. Que irei conhecer. Onde aprenderei a viver e a amar sem barreiras, sem medos e sem preocupações desnecessárias. Pois todas essas barreiras, esses medos e preocupações deixam de fazer sentido quando chegamos à nossa zona conforto e reconhecemos como parte de nós. E isso é cuidar, proteger, aprender a construir a duas mãos.

Alvoroço. Uma dança constante. Muita canela e pimenta. Um romance de cinema. O meu romance de cinema. 

Parte do que sou. Setembro, 2012

  • Share:

You Might Also Like

29 comentários

  1. Adorei *-* tu escreves maravilhosamente bem :)

    ResponderEliminar
  2. estou com a Catarina :) e quem não precisa de um bom romence, cheio de açúcar, canela e pimenta?

    ResponderEliminar
  3. Escreves tão bem! Para quando o livro? :)
    Parabéns, o post está excelente!

    Beijinho,
    Telma
    Fui Eu Que Disse - Blog | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  4. O texto está fantasbulástico, a tua escrita é maravilhosa, adorei está frase: Alvoroço. É o que o meu corpo precisa. A minha mente. O meu coração. Amor.

    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Concordo!

    Vivo em alvoroço já faz 6 anos. E não me canso!

    Ótimo sábado, Andreia!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  6. Intenso e empolgante, gosto desta disposição ao amor.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  7. Olá, Andreia.
    Belo texto: com pouquinho sal, não vá subirem as tensões! docinho, e temperado com pimenta, para que estimula a circulação e canela, para trazer a inspiração dos aromas.
    Quer-se o alvoroço dum amor!
    Muito bom, gostei demais.
    bjn amg

    ResponderEliminar
  8. r: obrigada, e igualmente querida :)

    ResponderEliminar
  9. r: Ahhhh babo sempre quando vou a uma livraria e vejo essa edição xD

    ResponderEliminar
  10. Um texto de deixar os corações em alvoroço. :)
    Lindo. :)

    ResponderEliminar
  11. Um romance apimentado, aromatizado com canela é tudo que o coração sonha
    Esse texto está eletrizante
    Um convite para desnudar-se para o amor. Um estímulo que deixa o leitor sem fôlego
    Quando sai o seu livro?
    Um maravilhoso final de semana
    Beijos

    ResponderEliminar
  12. Uma combinação perfeita. Canela para aromatizar pimemnta par escaldar
    Kis :>)

    ResponderEliminar
  13. Que texto fantástico!!! Estou fascinada.
    O amor vai-te encontrar. Também me sinto como tu e parece que, quanto mais procuro, menos encontro. Mas ele acaba sempre por nos encontrar.
    Muitas felicidades!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Sempre arrazando nos texto amei.
    Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  15. « E, verdade seja dita, quase todos nós acreditamos na mentira que um sorriso largo nos pode contar. É persuasivo. Ou nós é que somos pouco atentos.»

    Concordo tanto com isto. Poderia dizer que é a história da minha... ou de metade dela.

    ResponderEliminar
  16. Canela & pimenta!
    faz assim tanto alvoroço
    se o desejo o apoquenta
    faz a vontade ao corpo?

    Belo romance de amor,
    escrito podia ser
    para perfumado se ler
    nas pétalas de um a flor!

    Boa noite Andreia e bons sonhos em alvoroço! Um beijo,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  17. Eu quero ver se o faça mais vezes para completar o segmento CityBreaks do meu blog que anda quase sempre paradito :P Assim é uma forma de mostrar mais coisinhas acerca da minha cidade :P

    A sério que já vieste cá? Que giroooo! Não sabia +.+
    Quando vens de novo? ahaha :D


    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  18. Pétalas de especiarias para temperar um "eu+tu=nós" e muito trabalho. É assim um bom romance.
    Mais um belo texto :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Que belo texto, querida Andreia. É mágico quando algo que escrevemos há tantos anos ainda pode ser actual no nosso coração.

    ResponderEliminar