Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2017

Família Morais on the road: Vinhais

Imagem
«Desde tempos muito remotos a produção principal desta freguesia e deste concelho era o vinho, como está dizendo o seu nome»

A nossa viagem de regresso nunca é feita em linha reta, isto porque não vamos diretos para casa. Aproveitamos sempre para visitar um lugar novo, que tanto pode ser por terras portuguesas, como por terras espanholas. Isso dependerá do itinerário que o meu pai idealizou. E que mantém em segredo até ao dia em que nos despedimos das férias. Este ano, tivemos a oportunidade de explorar dois locais que, até então, só conhecíamos de nome. Um em Portugal. E outro em Espanha. A nossa primeira paragem? Vinhais!

Família Morais on the road: Resumo das férias #2 [com fotografias]

Imagem
«Um dia é preciso parar de sonhar e, de algum modo, partir», Amyr Klink

Ourense: Na viagem de regresso, entre as duas paragens que fizemos, acabamos por fazer um piquenique improvisado no Parque Miño. Um parque urbano bastante agradável, onde é possível observar um grande número de esculturas de artistas conceituados da cidade. Além disso, é um espaço com uma boa área verde. A parte negativa, foi começarmos a almoçar e vermos ratos a sair de um dos arbustos. Não sei o que o futuro me reserva, mas quero muito regressar a Ourense, a «cidade da água», para conhecer ao pormenor, já que desta vez não foi possível.

Família Morais on the road: Resumo das Férias #1

Imagem
«Um dia é preciso parar de sonhar e, de algum modo, partir», Amyr Klink

No passado dia 8 de agosto, eu e os meus pais carregamos as malas no carro e rumamos ao nosso destino de férias, que tem sido o mesmo nos últimos cinco anos, para desfrutar da tranquilidade daquele refúgio que nos enche as medidas. Seguindo o caminho de sempre, e aproveitando nove maravilhosos dias de descanso, regressamos a lugares que nos são familiares, e dos quais já falei na rubrica À boleia do mundo, mas que não nos deixam de surpreender.

Quero #25

Imagem
Sair. Beber um copo com as minhas pessoas do bem. E, sobretudo, dançar até de manhã! As saudades que tenho delas são imensas. Assim como é imensa a vontade que tenho de libertar o corpo ao som dos mais variados estilos musicais. Quero desligar-me do mundo. E ligar-me ao ritmo contagiante e à pista que parece chamar por nós. No fundo, quero pôr um pouquinho de lado os dias longos e dar lugar a uma noite bem passada, que termine aos primeiros raios de sol.

Jukebox #65

Imagem
«Why did you save me? If you don't know  Witch way you're going now Will you ever know? I need to hear from you somehow What if I stumble? What if I fall? Would you came for me Or would you let me be? Believe me when I say believe me

#11 M de...

Imagem
... natureza!

Juízo de valor

Imagem
Julguei tantas vezes o teu silêncio. Aos meus olhos, era a demonstração clara da pouca importância que tinha para ti. Mas... E o meu silêncio? Que desculpa tinha eu? Nesta ordem de ideias, não terias também tu o direito de me achar distante e desinteressada? Acredito, em pleno, na lei da reciprocidade. Não podes ser só tu. Nem posso ser só eu. Temos que nos encontrar a meio de um caminho que funcione para ambos, onde não corramos o risco de nos perdermos em interpretações erradas que só nos afastam.

Perdições #24

Imagem
Os candeeiros turcos, em mosaico, que se encontram nas feiras medievais! São encantadores e de uma beleza fascinante. Se pudesse, trazia um exemplar de cada para casa, até porque juntando vários conseguimos criar um ambiente bastante acolhedor e agradável. Não importa a quantidade de vezes que já os vi expostos em inúmeras bancas, perfeitamente alinhados por tamanho e com as suas cores maravilhosas, pois irei sempre perder-me a contemplá-los. Parecem pedaços de magia. E um sonho que nos transporta para outra realidade.

As palavras

Imagem
Eu, menina das palavras, das histórias sem fim, do encanto que é perder-me no abraço que uma boa frase/um bom texto consegue dar, começo a acreditar que as palavras estão em crise. Não, as palavras não. As pessoas. Que as banalizam pelo pouco que lhes parece tudo. E que as levam a retirar o toque especial que a palavra preserva. E os gestos ganham destaque. Têm cada vez mais valor. Não os estraguem também!

Mentira, meu bem

Imagem
Estou perdida na tua mentira, meu bem. Nessa luz negra que emanas e inundas no meu ser frágil e tão cheio de amor por ti. Estou perdida nessa mentira que me sussurras ser afeto. E o pior? Iludo-me constantemente. E pareço gostar da sensação de me perder no teu corpo. Nas tuas palavras condescendentes. E na tua alma vazia. Porque continuo a procurar a tua presença, mesmo sabendo que ficaria muito melhor sem ela.

Regresso a casa

Imagem
Estou de volta a casa. As férias no meu refúgio chegaram ao fim. Sinto que passaram a voar, mas souberam-me pela vida! 

Modo Férias!

Imagem
O modo férias foi ativado. As gavetas da minha casa encantada vão entrar em pausa, para reposição de energias. Tal como o ano passado, faz-me mais sentido não deixar publicações agendadas durante a minha ausência, porque não terei forma de retribuir todo o vosso carinho. Vou só ali aproveitar uns dias de descanso, mas depois volto. E espero trazer a bagagem a abarrotar de aventuras e inspirações. E encontrar-vos desse lado. Até já!

Jukebox #64

Imagem
«(...) eu já cansei De mudar por ti Ficamos por aqui

#10 M de...

Imagem
... Medieval!

As minhas viagens de metro #58

Imagem
«Uma parte de mim já se foi, sou outro neste instante e outro serei ainda se continuo a existir»

Caminho sobre linhas curvilíneas de saudade. Quando olho o tempo, questiono-me onde andou toda esta determinação que hoje sinto dentro de mim. Há dias em que não me reconheço. Observo o espelho com curiosidade e é como se as rugas de expressão refletidas não fossem as minhas. É como se aquela história, muda diante da minha silhueta, fosse a de um estranho. De onde venho, para onde vou, quem sou eu... Há momentos em que não reconheço a mulher em que me tornei. Mas talvez seja melhor assim.

Diz-me por onde andas #13

Imagem
«No fundo de um buraco ou de um poço acontece descobrir-se as estrelas», Aristóteles

Reencontros. Adoro matar saudades das minhas pessoas do bem. Das gargalhadas, das confidências, dos disparates. No fundo, de estar rodeada da presença delas e de sentir as cordas a estreitarem-se. E um jantar é sempre um ótimo pretexto. Para estarmos juntos. E para conhecermos restaurantes novos.

Dualidade incerta

Imagem
«Eu e tu perdidos num momento», Paulo Sousa

Hoje entendo a ilusão em que caí profundamente, como se me tivesse deixado enfeitiçar por essas tuas palavras preenchidas de um charme tão próprio e natural. Ainda assim, sinto as saudades a gritarem dentro do meu peito, pedindo de volta o tempo em que coexistimos em perfeita simbiose. Estás tão longe. E eu tão perto do abismo. E quanto mais avanço, mais ouço os teus passos a recuarem. Já acreditei com mais certezas nesse sentimento que insistes em afirmar sentir. Falas, mas a tua voz parece vazia. De ti. Estimei-te tanto. Amei-te em silêncio. Rejeitei-me, como se não fosse digna do teu apreço. E tropeçando em acasos da vida, retirei-te a máscara que achei que não te serviria; que nunca usarias, porque em ti via verdade. Até desvendar essa essência que não me conquista. Que me repele. E me magoa. E, mesmo assim, sinto todas as minhas forças a puxarem-te para a minha vida, para que nunca te afastes de mim. Talvez porque precise de acreditar qu…